Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

12 de junho de 2014

Jorge Luis Borges: O Ameaçado




















É o amor. Terei de esconder-me ou fugir.
Crescem os muros do seu cárcere, como um sonho atroz.
A formosa máscara mudou mas como sempre é a única.
De que me servirão os meus talismãs: o exercício das letras,
a vaga para cantar os seus mares e as suas espadas, a serena
amizade, as galerias da Biblioteca, as coisas comuns, os
hábitos, o jovem amor da minha mãe, a sombra militar dos
meus mortos, a noite intemporal, o sabor do sonho?

Estar contigo ou não estar contigo é a medida do meu tempo.
Já o cântaro se quebra sobre a fonte, já o homem se levanta
à voz da ave, já se escureceram os que olham por detrás das
janelas, mas a sombra não trouxe a paz.
É, já sei, o amor: a ansiedade e o alívio de ouvir a tua voz,
a espera e a memória, o horror de viver no sucessivo.

É o amor com as suas mitologias, com as suas pequenas
magias inúteis.
Há uma esquina pela qual não me atrevo a passar.
Já os exércitos me cercam, as hordas.
(Esta habitação é irreal; ela não a viu.)
O nome de uma mulher me denuncia.
Dói-me por todo o corpo uma mulher.




Jorge Luis Borges
Argentina; Buenos Aires 1899
Suiça; Genebra 1986
in  Obra Poética
Editor: Quetzal
photo by google
Enviar um comentário