Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

8 de junho de 2014

José Saramago: Declaração





Não, não há morte.
Nem morto está o fruto que tombou:
Dá-lhes vida o abraço dos meus dedos,
Respiram na cadência do meu sangue,
Do bafo que os tocou.
Também um dia, quando esta mão secar,
Na memória doutra mão perdurará,
Como a boca guarda caladamente
O sabor das bocas que beijou.



José Saramago
Portugal; Azinhaga, Ribatejo 1922
Espanha; Tías, Las Palmas 2010
in Os poemas possíveis
Editor: Editorial Caminho
photo by Google
Enviar um comentário