Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

22 de novembro de 2015

Henrique Manuel Bento Fialho: Os amantes

























De mãos dadas,
abraçados,
costas nas costas,
separados até que a morte volte a uni-los,
vão os amantes.

Vão de mãos dadas
para que toda a gente veja:
já não são apenas olhos que se dão,
já não são apenas dois rostos tranquilos.

De mãos dadas,
iludidos,
rastros da fome que a fome apagou,
abraçados,
eles seguem já mais secos que molhados,
desaprendendo os incêndios da paixão.

Abraçados e reinventados conforme cicios,
lamentos e sanções,
os amantes insistem,
costas nas costas,
aguardando uma mão decidida nas coxas,
sob a coberta onde os pés espreguiçam
o sono pesado do amor.

Acolá respiravam,
agora ressonam.
Nada.
Separados,
como se o amor tivesse desistido,
os amantes sedentarizam-se.

Já não vão.
Ficam parados,
até que a morte torne a uni-los,
atracados no sono,
no cansaço,
no hábito  de buscarem nos livros
o que apenas encontram na carne.




Henrique Manuel Bento Fialho
Portugal, Rio Maior 1974
in Os dias do amor
Editor: Ministério dos livros
photo by Google
Enviar um comentário