Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

28 de novembro de 2015

Paulo Ferraz: Alba

Não a resistência
do vento, mas sim a
densidade da água
que envolve, que agarra o
corpo, inoculando o
veneno da espera até
transformar pele em
pensamento, menos,
em vozes ouvidas,
outras jamais ditas;
o que se vê tem do
sonho quase nada, apenas
o desejo de tê-la outra vez
à distância dos dedos,
ela estaria próxima,
não fosse a grita
do mundo e do corpo,

não fosse esse oriente,
não fosse essa música
que vem das árvores,
não fosse ouvir do
colchão, do lençol, do
travesseiro: volta ao

real, ao invés do leito
te reclama a lida.



Paulo Ferraz
Brasil, Rondonópolis 1974
in Os dias do amor
Editor: Ministério dos livros
photo by Google
Enviar um comentário