Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

27 de agosto de 2015

Benjamim Ben Jonson: Bebe por mim com teus olhos


 Bebe por mim com teus olhos:
retribuirei com os meus…;
ou deixa um beijo na taça
- vinho melhor, nem nos céus
A sede que nasce n’alma
requer divina ambrosia;
mas nem o néctar de Jove,
ao pé desse, tem valia.

Mandei-te um ramo de rosas
não só por ti, mas por crer
que assim junto do teu peito
não podiam fenecer…
Mal, com desdém, o aspirante;
repelido, torna aqui:
e em vez do cheiro das rosas,
vem perfumado – de ti!



Bem Jonson
Reino Unido, 1572-1631
Trad. Luiz Cardim
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário