Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

23 de agosto de 2015

Cristina Maria da Costa: Elíptico o reduto da falta do teu sexo

Elíptico o reduto da falta do teu sexo

vazas a pele na trave do silêncio
geométrico o timbre
o vértice da falsa sinuosidade
branco sobre tom

a cor povoa a tua forma

vertes uma só palavra
estudo o teu corpo
desabitado
sob o aquoso olhar

aquieto o gesto
não te toco
compreendo-te melhor na incompletude

cicio a tua pele

fedes
mergulho em ti
e é tudo pele

engano-te
não durmo
memorizo-te
na distância indisputável do teu dormir

o óleo escorre sobre a mesa
chama-te coisas
toca a fértil origem

amanhece-nos o túrgido nevoeiro

(a campainha do 2º E está estragada
tocaste?
eu não te ouvi)

se partires diz
amei

se ficares diz
perdoei

o amor só sobrevive na pureza

(inédito)



Cristina Maria da Costa
Portugal, 1973
in Os dias do amor
Editor: Ministério dos livros
photo by Google
Enviar um comentário