Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

23 de agosto de 2015

Carol Ann Dufy: Valentine


























Não uma rosa vermelha ou um coração de cetim.

Ofereço-te uma cebola.
É uma lua embrulhada em papel castanho.
Uma promessa de luz
como o cuidadoso despir do amor.

Aqui está.
Cegar-te-á com lágrimas
como um amante.
Fará do teu reflexo
uma trémula foto de dor.

Estou a tentar ser verdadeira.

Não uma carta engraçada ou uma quantidade de beijos.

Ofereço-te uma cebola.
Os seu intenso beijo permanecerá nos teus lábios,
possessivo e fiel
tal como nós.
enquanto continuarmos a ser.

Toma-a
os seus anéis de platina reduzem-se a um anel de noivado
se quiseres

Letal.
O seu cheiro vai agarrar-se-á aos teus dedos,
agarrar-se-á à tua faca.



Carol Ann Duffy
Reino Unido, Glasgow 1955
in Qual é a tua ou a minha língua?
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google


Enviar um comentário