Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

27 de agosto de 2015

Juan de Tassis: Definição da mulher



É a mulher um mar só tempestade,
uma volúvel vela a todo o vento,
um cometa de fácil movimento,
no rosto sol, na alma lua em quantidade.
Fé de inimigo, sem qualquer lealdade,
breve descanso e imoral tormento;
ligeira mais que o próprio pensamento,
pra suportar um peso, e crueldade.
É mais que víbora arrogante e fera;
pra seu prazer, de cera derretida,
e prò alheio mais dura do que a palma;
cobre dentro, que fora ouro tempera,
e é um doce veneno para a vida,
que nos mata sangrando-nos a alma.



Juan de Tassis, Conde de Villamediana
Espanha 1582-1622
Trad. José Bento
in Rosa do Mundo – 
2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário