Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

19 de outubro de 2015

Índios da Amazónia: Beijo


Beijei-te a palma da mão,
tinha o cheiro a melão-de-água.
Beijei-te a palma da mão,
e os rins ficaram-me em fogo.


Brasil, 
Índios da Amazónia
Séc. XVIII
Trad. Herberto Helder
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google 
Enviar um comentário