Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

19 de outubro de 2015

Jarolav Seifert: Canção de Amor

Ouço o que os outros não ouvem,
os pés descalços pisando veludo,

suspiros sob o selo de uma carta
o tremor das cordas, quando não vibram.

Ás vezes fugindo das pessoas
vejo o que os outros não vêem.

O amor vestido com o riso,
que se oculta nas pestanas, cobrindo os olhos.

Quando ainda tem flocos de neve nos anéis dos cabelos,
vejo florescer a rosa no roseiral.

Ouvi o amor partir,
quando uns lábios pela primeira vez roçaram os meus.

Quem deterá a minha esperança:
tão pouco o medo da desilusão,

para que nos teus joelhos não se ponha.
A mais formosa deve estar louca.


Jaroslav Seifert
República Checa 1901-1986
in Qual é a tua ou a minha língua?
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário