Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

27 de março de 2016

Ahmad Shawqi: confundiram-na ao chamar-lhe bela

confundiram-na ao chamar-lhe bela
-- e ela era sensível às serenatas  ̶
deveras esqueceu meu nome
no vai e vem dos amantes?
ela vê-me e afasta-se,
oh recordação que volvesse
a sorrisos, a olhares que todavia
faziam nossas delícias d’outrora.
separávamo-nos para a cura,
doentes um do outro até ao gemido,
quando éramos  ̶  ah não digas nada  ̶
dois amantes possuídos pelo amor
e a castidade vigiava
sabiamente as paixões…
ela tirava a minha túnica, dizendo:
vós belos poetas e homens enamorados
temeis Allah
lançando-vos no coração das virgens.
mas não sabeis vós
que o coração das virgens é o vento?



Ahmad Shawqi
Egipto, Cairo 1868-1932
Trad. Adalberto Alves
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário