Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

27 de março de 2016

Alemanha, Anónimo: Soneto alegórico


Amanda, amiga, és bife pra frios corações,
Precioso cofre de ouro, tocha ardente do amor,
Fole de meus suspiros, mata-borrão da dor,
Areia de meus males, bálsamo de aflições,

Chama de minhas velas, de meu prazer manjar,
Bacio de meu descanso, da poesia clister,
Néctar de minha boca, rol de gozos pra ver,
Lugar de reverências, mestra de bem zombar.

Um poço de virtudes, calendário de meu tempo,
Facho de devoção, fonte de encantamento,
Tu, abismo profundo cheio de manhãs amenas,

Maçapão de minh’alma, e das línguas melaço,
E tudo o mais, amiga, que aqui deixar não posso.
Pinça de meus tormentos e espanador das penas.


Anónimo
Alemanha Séc. XVII
Trad. João Barrento
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário