Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

27 de março de 2016

Thomas Campion: Dorme, beleza irada





Dorme, beleza irada, dorme e não me temas.
Pois quem se atreve a provocar um leão adormecido?
Bastar-me-á sentar aqui e ver
Cerrados aqueles lábios que nunca falaram afavelmente.
Que visão melhor pode contentar a alma de um amante
Do que a beleza que parece inofensiva, se não mesmo afável?
As minhas palavras encantaram-na pois segura dorme;
Ainda que culpada de muita mal ter tratado o meu amor;
E no seu sono, vede, de olhos fechados chora:
Muitas vezes os sonhos, mais do que as paixões da vigília, comovem.
Advoga, sono, a minha causa; e como tu torna-a doce assim,
Para que em paz acorde e se apiede de mim.



Thomas Campion
Reino Unido, 1567-1620
Trad. Cecília Rego Pinheiro
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário