Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

13 de março de 2016

Delmira Agustini: O Inefável


Eu morro estranhamente....Não me mata a vida,
a morte não me mata, não me mata o amor;
morro de um pensamento silente qual ferida…
Não sentistes jamais a estranha dor

de um pensamento imenso que se arraiga na vida
devorando alma e carne, sem conseguir dar flor?
Nunca levastes dentro a estrela adormecida
Que vos abrasava todos e não dava um fulgor?

O cume dos martírios...! Levar eternamente,
dilacerante e árida, a trágica semente
como um dente feroz nas entranhas cravada!...

Mas arrancá-la um dia na  flor que, salvadora
e  inviolável, se abrisse... Ah! maior não fora
ter a cabeça de Deus entre as mãos levantada!



Delmira Agustini
Uruguai, Montevidéu 1885-1914
Trad. José Bento
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário