Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

23 de março de 2013

Quantas vezes caminhei pela praia: Casimiro de Brito

Quantas vezes caminhei pela praia
à espera que viesses. Luas inteiras.
Praias de cinza invadidas pelo vento.
Quantas estações quantas noites
indormidas. embranqueceram-me
os cabelos. E só hoje
quando exausto me deitei em mim
reparei
que sempre estiveste a meu lado.
Na cal frágil dos meus ossos.
Nas hastes do mar infiltradas
no sangue. Na película
dos meus olhos quase cegos


Casimiro de Brito
(Portugal 1938)
in 69 poemas de amor
Enviar um comentário