Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

18 de abril de 2014

Filipe Marinheiro: Viagem após viagem


                            Viagem após viagem um sulco
de neve vermelha-madrepérola revela-te o
deslize das palavras que ao
nascer amei. Quiçá ainda as ame
quando bebo as balsâmicas auroras
perto daqueles chamamentos
que só eu sei em ti…
…ouve-me, ouve-me meu amor
pouca coisa a dizer-te num fôlego.
Golpe de algodão em estilhaço
no lume aos ares apodrecidos.
…ouve-me, ouve-me meu amor
com estas palavras mudo o sentido
com que te escrevo
onde tu também te sabes perder
ao sentares o teu esbelto peito
deitada na parte que mais aprecias.
No teu próprio corpo dias adiante…
confio-te estas generosas palavras
porque um dia perceberás
que irrompo vagarosamente as tuas manhãs colhidas.
a cabeça enche-me a rosácea boca
de borboletas e cheirosas rosas
até que eu cresço mar azul-turquesa aos empurrões
no sal das tuas aladas mãos que singelamente
caíram de tantos profundos prantos.
…ouve-me, ouve-me
afoguemo-nos no murmúrio das noites estaladas
entre límpido céu e mar
…ouve-me, ouve como te amo
meu eterno amor…

                         ouve-me,
                  ouve-me meu amor


Filipe Marinheiro
Portugal(Coimbra) 1982
in Silêncios
Editor: Chiado Editora
photo by Google



Enviar um comentário